Empresa francesa está de regresso a Portugal com projetos de três edifícios para 299 apartamentos.

A promotora imobiliária francesa Nexity, que saiu de Portugal em 2008, decidiu regressar ao país e prepara-se para aplicar, numa primeira fase de investimento, €68 milhões em habitação em Leça da Palmeira, no Grande Porto, e no Dafundo, na Grande Lisboa.

“A Nexity veio em 2000 e ficou com um terreno em Lisboa onde construiu o Amoreiras Plaza, que depois vendeu. Nessa altura, o objetivo era ficar à procura de projetos comerciais, só que em 2008 houve questões com os licenciamentos e, depois, a crise financeira internacional. Em 2018 percebeu que havia falta de casas para a classe média, fez um plano de negócio de longo prazo e eu comecei a trabalhar em maio desse ano, a construir a equipa que, neste momento, tem 12 pessoas”, conta ao Expresso o diretor-geral da Nexity em Portugal, Fernando Vasco Costa.

Da fábrica para casa

Nesta primeira fase serão construídos três edifícios com um total de 299 apartamentos, sendo que dois deles serão em Leça da Palmeira, nos terrenos da antiga fábrica da Facar, junto à Exponor, e o terceiro será no Dafundo, nos antigos terrenos da editora Motorpress e não muito longe do Aquário Vasco da Gama.

O objetivo é começar a construir, já em outubro deste ano, um dos edifícios de Leça da Palmeira e o projeto do Dafundo. O de Leça terá 21 pisos e 108 apartamentos de tipologias T0+1 a T4 duplex, enquanto que o do Dafundo terá 61 apartamentos de tipologias T0 a T4+1, sendo que cada um deles representa um investimento de € 24 milhões.

O outro edifício projetado para Leça da Palmeira só está previsto começar a ser construído “no primeiro trimestre de 2021” porque ainda está “na fase final de licenciamento”. Este representa um investimento de € 20 milhões e será o maior dos três, com 130 apartamentos. Aliás, segundo Fernando Vasco Costa, a Nexity “não está interessada em desenvolver projetos pequenos. Os 61 apartamentos a construir no Dafundo será o mínimo”.

Os preços das casas dos dois primeiros projetos também já estão definidos. No Dafundo oscilarão “entre 150 mil a 1 milhão de euros” e em Leça “haverá T2 a partir de 195 mil euros e T3 desde 260 mil euros”. Já as vendas deverão ser lançadas em setembro deste ano.

O arranque dos projetos da Nexity em Portugal surge em plena pandemia da covid-19, mas Fernando Vasco Costa garante que, até agora, apenas tiveram de ser feitos alguns ajustes, por exemplo, na estratégia de comunicação.

“Houve indicação da casa-mãe para não parar. O imobiliário é um processo longo e estes projetos são para daqui a uns três ou quatro anos. Mesmo que o ritmo de vendas não seja o que esperávamos, o nosso produto continua a fazer sentido. Há sempre necessidade de habitação e há muita procura por responder”, comenta Fernando Vasco Costa.

Planos para mais de €160 milhões

Além dos €68 milhões que vai investir nesta primeira fase, a Nexity tem planos para uma segunda fase de investimentos avaliada, para já, em €160 milhões. “Isto não é o nosso limite, é o pipeline para os próximos anos e não há pressa para os gastar”, repara Fernando Vasco Costa.

Nesta segunda fase inclui-se a construção de mais de seis edifícios em Leça da Palmeira, três de habitação e três de escritórios, e mais dois projetos, um em Lisboa e no Algarve, cujos terrenos deverão comprar em breve. O de Lisboa será para habitação, mas o do Algarve poderá vir a ser para uma residência sénior. Estão ainda “em negociações” para comprar mais um terreno “dentro das cidades de Lisboa e do Porto”, conclui.

Fonte: Expresso


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PT
EN PT